Catingueira

Foto: http://www.naturezabela.com.br/

A catingueira-verdadeira (poincianella pyramidalis) é uma espécie pertencente à família leguminosae que é conhecida por diferentes nomes de acordo com o estado:
Ceará – catingueira-de-porco e catingueira
Piaui – canela-de-velho, catingueira-verdadeira e pau-de-rato
Rio Grande do Norte / Pernambuco / Alagoas / Minas Gerais / Paraíba e Sergipe – catingueira
Bahia – canela-de-velho, catingueira-de-porco, catingueira-de-mulata, catingueira-grande, catingueira-de-folhas-largas, mussitaíba e pau-de-rato.

É endêmica no nordeste brasileiro e é do bioma Caatinga. É encontrada desde várzeas úmidas, alcançando até 10 metros de altura e 50 cm de diâmetro, como também em áreas semiáridas, quando se reduz a um arbusto com menos de dois metros de altura e poucos centímetros de diâmetro.

Adapta-se muito bem aos diferentes tipos de solos, incluindo os mais pobres, especialmente os solos pedregosos. É uma espécie de poste arbustivo e arbóreo, cuja copa é arredondada e baixa, não apresenta espinhos. Apresenta comportamento decíduo (que cai ou se solta em uma estação específica ou em certa fase do desenvolvimento) na estação seca.

A madeira é branco-amarelada com cerne escuro, com madeira seca de alta densidade, contendo grandes quantidades de celulose e lignina. Após perder as folhas durante a estiagem, é uma das primeiras árvores a rebrotar com o início das chuvas. Começa a perder suas folhas entre os meses de agosto a outubro e até novembro, perde totalmente a folhagem.

Pode ser utilizada para diversos fins, dentre eles o da alimentação animal, suas folhas que brotam após o início das chuvas, podem ser importante fonte de forragem.

Além disso, pode ter uso energético como lenha. Já na medicina caseira, pode ser utilizada como antidiarreico com o uso das folhas, flores e cascas, e em tratamento da hepatite e anemia (cascas). As aplicações industriais ocorrem pelo fato das cinzas da madeira apresentar um alto teor de potássio, sendo assim, usada para a fabricação de sabão.

Fonte: Embrapa
Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*