Fortaleza e a Belle Époque

https://i0.wp.com/www.ceara.pro.br/fortaleza/imagens/foto90.jpg?resize=260%2C192
Passeio Público
https://i1.wp.com/www.ceara.pro.br/fortaleza/imagens/foto17.jpg?resize=261%2C179
Rua major Facundo

De 1860 até 1930 Fortaleza viveu movimentos sociais e culturais marcantes como o movimento abolicionista, nas décadas de 1870 e 1880 que culminou na libertação dos escravos no Ceará, em 25 de março de 1884, quatro anos antes de a abolição ser oficialmente decretada em todo o país, em 13 de maio de 1888. Francisco José do Nascimento, também conhecido como Chico da Matilde e mais ainda como Dragão do Mar, liderou a participação dos jangadeiros no movimento abolicionista negando-se a fazer o embarque de escravos no porto de Fortaleza. O movimento literário Padaria Espiritual surgido em 1892 foi pioneiro na divulgação de ideias modernas na literatura no Brasil. Outras instituições da época foram o Instituto do Ceará e a Academia Cearense de Letras respectivamente fundadas em 1887 e 1894.

https://i0.wp.com/www.ceara.pro.br/fortaleza/imagens/foto68.jpg?resize=258%2C186
Rua Pedro Borges
https://i0.wp.com/www.ceara.pro.br/fortaleza/imagens/foto21b.jpg?resize=278%2C215
Praça José de Alencar

A elite formada notadamente por comerciantes e profissionais liberais vindos de outras regiões brasileiras e do exterior foram as promotoras de mudanças importantes em Fortaleza. De influência europeia e guiada por ideais de modernidade, esse contingente teve atuação decisiva. Em 1875, o intendente Antonio Rodrigues Ferreira encomendou ao engenheiro Adolfo Herbster a elaboração da Planta Topográfica da Cidade de Fortaleza e Subúrbios, considerada o marco inicial da modernização urbana. Inspirado nas realizações de Paris, então gerida pelo Barão de Haussmann, Herbster estabeleceu o alinhamento de ruas segundo um traçado em xadrez, de forma a disciplinar a expansão da cidade. A partir de 1880, a cidade ganhou serviços e equipamentos urbanos, como o transporte coletivo por meio de bondes com tração animal, serviço telefônico, caixas postais, o cabo submarino para a Europa, a construção do primeiro pavimento do Passeio Público e instalação da primeira fábrica de tecidos e facção.

https://i2.wp.com/www.ceara.pro.br/fortaleza/imagens/foto2.jpg?resize=273%2C201
Praça da Bandeira
https://i0.wp.com/www.ceara.pro.br/fortaleza/imagens/foto83.jpg?resize=277%2C204
Passeio Público

Na virada do século, Fortaleza já detinha a sétima maior população urbana do país, passando a tomar medidas de higienização social e de saneamento ambiental, além de executar um plano de reformas urbano com a implantação de jardins, cafés, coretos e monumentos, e a construção de edifícios seguindo padrões estéticos europeus. Os primeiros automóveis circularam em 1910, e a implantação de bondes elétricos e a circulação de ônibus e caminhões. O Theatro José de Alencar foi inaugurado em 1909 passando a ser o principal espaço cultural da cidade. A Praça do Ferreira era o ponto de estacionamento de bondes e carros de aluguel, concentrando intenso movimento. Entre as décadas, de 20 e 30 foram inaugurados diversos cinemas, e os bairros como Jacarecanga, Praia de Iracema, e Aldeota passam a ser habitados pelas elites que começam a valorizar a proximidade com o mar.

https://i2.wp.com/www.ceara.pro.br/fortaleza/imagens/foto54.jpg?resize=274%2C200
Av. da Universidade
https://i2.wp.com/www.ceara.pro.br/fortaleza/imagens/foto72.jpg?resize=279%2C206
Rua Guilherme Rocha

Fonte: Wikipédia
Leia mais no Jornal Diário do Nordeste
Imagens: Portal da história do Ceará
Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*