Museus Orgânicos dos Mestres de Cultura

O Museu é um espaço que conserva, difunde e expõe os testemunhos materiais do homem e de seu entorno, para educação e apreciação da sociedade, é o que diz o Conselho Internacional de Museus (International Council of Museums). Com base na definição clássica difundida na atualidade e ao mesmo tempo inovando para colaborar ainda mais com as formas de expressividade humana, o Sistema Fecomércio / Sesc Ceará, reconhece um novo tipo de Museu: o orgânico, baseado no vínculo com a história e dos lugares onde vivem os mestres de cultura popular.

Objetos pessoais, fotografias, vestimentas, instrumentos e tudo que marca o dia a dia e consolida as manifestações tradicionais são algumas das características que denotam os espaços chamados de Museus Orgânicos.

O projeto nasceu com o amadurecimento da parceira com a Fundação Casa Grande, localizada na cidade de Nova Olinda, através de Alemberg Quindins, da Fundação Casa Grande, responsável por duas experiências em Nova Olinda: o Museu do Ciclo do Couro: Memorial Expedito Seleiro e o Museu Casa Antônio Jeremias. Os dois espaços movimentaram ainda mais a quantidade de visitantes na cidade, integrando um roteiro turístico local. Com o sucesso, a proposta foi apresentada ao Sesc que topou ampliar.

Os projetos passam por pesquisas e estudos consistentes a respeito de cada tradição cultural, suas referências coletivas e o impacto na comunidade. Deste modo, são organizados os espaços com os acervos de vestimentas, fotografias e instrumentos utilizados pelos Mestres e seus brincantes, dentro da perspectiva de arquitetura do afeto e memória afetiva. As intervenções durante o desenvolvimento do Museu Orgânico foram realizadas de maneira colaborativa da equipe do Sesc Ceará junto ao acompanhamento do Mestre e de sua família.

Para selecionar os Mestres, o Sesc Ceará foi a campo para visitar espaço a espaço com o intuito de entender suas histórias e a sua importância enquanto patrimônio imaterial. Até 2019, o Sesc Ceará fará a implementação de todos os 16 museus integrantes do projeto, investindo em melhorias físicas do local de modo a transformar o espaço residencial do mestre num lugar de convivência pública, o mais agradável e convidativo possível.

A requalificação do ambiente se dará através de diálogo em visitas de mobilização nas casas dos Mestres e seus familiares, no intuito de garantir as características identitárias dos padrões patrimonial, cultural, social e econômico. Nesse sentido, qualquer transformação nesse status que acontecerá por uma decorrência natural do processo dialógico com seus proprietários e nunca pela interferência direta.

Até o momento o SESC-CE já inaugurou dois museus:

Museu Orgânico Casa do Mestre Antônio Luiz – idealizador e brincante do Reisado de Máscaras, no Sítio de Sassaré, em Potengi, também conhecido como Reisado de Couro dos Caretas, é uma cultura quase secular no Cariri. A inauguração foi no dia 18/08/18.

Museu Orgânico Oficina do Mestre Françuili – O flandeiro é um patrimônio vivo da inteligência, destreza e inventividade do povo nordestino. Moldar miniaturas é um talento que começou a desenvolver ainda na infância, quando viu primeira vez um avião planar acima da plantação onde trabalhava e sua imaginação decolou junto com o voo. A inauguração foi em 15/11/18 na cidade de Potengi.

Fonte: Fecomercio/SECS-CE / Jornal Diário do Nordeste / Fundação Casa Grande /
Jaqueline Aragão Cordeiro

COISA DE CEARENSE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*