Dr. José Lourenço

José Lourenço de Castro e Silva nasceu em Aracati no dia 3 de Agosto de 1808. Era filho do Major Manoel Lourenço da Silva e de Maria do Carmo Sabina.

Foram seus irmãos: Thomaz Lourenço, Major Antônio Lourenço de Castro e Silva, Joaquim Lourenço de Castro e Silva, Manoel Lourenço de Castro e Silva, Carolina de Castro e Silva, Thereza de Castro da Rocha Moreira, que casou com João da Rocha Moreira, Maria Carolina, Rosa de Castro e Silva, Maria do Carmo da Silva Porto, que casou com Felippe da Silva Porto, Maria Magdalena de Castro e Maria Sabina de Castro.

José Lourenço casou-se em 29 de Outubro de 1836 com Maria Amália de Brito e Castro, nascida no Rio de Janeiro em 2 de Setembro de 1818, filha de João José de Brito, empregado do Tesouro Nacional. Amália faleceu em Fortaleza no dia 13 de Agosto de 1874.

Construído na segunda metade do século XIX, o sobrado da rua da Palma, atual Major Facundo, foi a  primeira edificação de três andares construída no Estado. O Sobrado José Lourenço, como hoje é chamado e reconhecido, já teve múltiplos usos: foi moradia, consultório médico, oficina de marcenaria, repartição pública, bordel. Tombado pela Secretaria da Cultura do Ceará (Secult), foi restaurado em 2006 pelo Governo do Estado, com patrocínio da Oi e inaugurado em 31 de julho de 2007.

Formado em medicina pela Academia Imperial do Rio de Janeiro, em 1834, para onde seguira em Fevereiro de 1829, o Dr. José Lourenço foi um dos mais notáveis médicos do país. Sua passagem pela Inspetoria de saúde publica do Ceará e pelos hospitais cearenses foram marcantes. Nas epidemias de febre amarela e cólera, foi o mais eficaz auxiliar da Presidência, segundo vê-se de vários relatórios oficiais da época, além de um benemérito na seca de 1878.

Como político, se dedicou ao partido liberal durante toda sua vida, seu nome está ligado a todas as fases políticas da província que, desde 1838, sempre o encontrou inquebrantável na tribuna e na imprensa. Sua dedicação e apego ás ideias, que comungava, levaram-no até a luta armada.

Anistiado, voltou a prestar valiosos serviços á causa de seu partido, conseguindo ser eleito deputado nos biênios de 1838-39, 1840-41, 1846-47, e figurar em uma lista senatorial em 1866. Foi Comendador da Ordem de Cristo por serviços prestados á instrução publica (1871), Cirurgião-mor da Guarda Nacional, diretor da instrução publica e professor de Francês do Lyceu Provincial, substituto do juiz de direito e municipal do termo de Fortaleza.

Em votação unânime, no dia 3 de Junho de 1882 e por proposta do vereador Antônio Cyrilo Freire a Câmara Municipal de Fortaleza deu o nome de Dr. José Lourenço á antiga Rua da Assembleia.

O Sentinella Cearense na Ponta do Mucuripe foi um dos muitos jornais de feição liberal, que José Lourenço redigiu ou em que colaborou. Entrou para o quadro da Armada Brasileira em 1875 e faleceu em 14 de Dezembro de 1881 em Fortaleza na casa nº 23 da Rua Formosa, hoje Barão do Rio Branco.

Um quanto filho do Dr. José Lourenço, com seu mesmo nome, foi também medico, nasceu em Setembro de 1844 em Pesqueira, Pernambuco, mas viveu e faleceu no Ceará. Teve também um neto com seu mesmo nome, que se formou na Academia de Direito do Rio de Janeiro.

Fonte: Portal da História do Ceará / Secult
Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*