O transito em Fortaleza

2010 foi um ano recorde em número de multas de trânsito aplicadas na capital, isso se deve a impudência e desrespeito dos motoristas. Os registros mais comuns são colisões e atropelamentos e as infrações mais observadas são avançar sinal vermelho, parar sobre a faixa de pedestres, transitar em alta velocidade, estacionar em local proibido e dirigir usando celular. Observamos ainda vários motoristas fechando cruzamentos, ultrapassando de forma proibida, além dos motoqueiros, que são uma “peste urbana” com todas as consequências que pioram o trânsito.

Em 2010 a AMC (Autarquia Municipal de Transito e Cidadania) aplicou 558.820 multas, apesar do número ser impressionante, não vemos uma melhora no caos diário, pois falta fiscalização, o poder público precisa investir mais nesse setor e punir rigorosamente esses infratores.

INFRAÇÕES DE 01/JAN A 31/DEZ DE 2010

1 – Estacionar em local/horário proibido – 75.954
2 – Transitar em velocidade superior a máxima permitida – 55.640
3 – Avançar sinal vermelho – 35.830
4 – Parar sobre a faixa de pedestre – 35.377
5 – Dirigir usando telefone celular – 23.284
6 – Condutor dirigindo sem usar cinto de segurança – 14.560
7 – Fazer conversão a esquerda em local proibido – 11.383
8 – Estacionar no passeio – 10.363
9 – Estacionar ao lado ou sobre o canteiro central – 6.691
10 – Estacionar em desacordo com a regulamentação – estacionamento rotativo – 5.808
TOTAL: 558.820
RUAS COM MAIOR INCIDÊNCIA DE MULTAS
1 – Av. Alm. Henrique Sabóia – 17.932
2 – Av. Beira-Mar – 17.554
3 – Av. Cel. Matos Dourado – 13.156 (Continuação da Perimetral)
4 – Av. Dep. Paulino Rocha – 11.815
5 – Av. Pres. Costa e Silva – 11.688
6 – Av. Dioguinho – 11.278
7 – Av. Santos Dumont – 8.466
8 – Av. Bezerra de Menezes – 6.862
9 – Av. Ministro José Américo – 6.249
10 – Av. Gov. Raul Barbosa – 4.963
11 – Av. Godofredo Maciel – 4.913
12 – Av. Gal. Osorio de Paiva – 3.808
13 – Av. Bernardo Manuel – 3.508
14 – Av. Heráclito Graça – 3.398

15 – Rua Benjamim Brasil – 3.233

Fonte: Jornal Diário do Nordeste
Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*