Monsenhor Tabosa

Antônio Tabosa Braga nasceu em Itapipoca, 19 de dezembro de 1874 e faleceu em Faleceu em Fortaleza, aos 60 anos de idade, no dia 12 de abril de 1935. Foi vigário-geral da arquidiocese de Fortaleza, sendo o segundo de D. Manuel da Silva Gomes. Foi um dos fundadores do leprosário de Canafístula (atual Centro de Convivência Antônio Diogo) e da União dos Moços Católicos de Fortaleza.

Era filho do capitão Domingos Francisco Braga e de Ana Luísa Tabosa Braga. Seu pai viria a ser intendente municipal (prefeito) entre 1877 e 1880. Ana Luísa veio a falecer com mais de cem anos de idade. Aos treze anos, passou a frequentar o Seminário de Fortaleza, mas foi no Seminário da Paraíba que fez seu curso de Teologia, recebendo a ordenação sacerdotal do bispo D. Adauto Aurélio de Miranda Henriques, em 6 de novembro de 1898.

De volta ao Ceará, logo foi nomeado pároco de Santa Quitéria, onde fundou uma escola de instrução primária e secundária. Em 1906, foi transferido para Pacoti. Em 02 de outubro de 1921, assumiu a paróquia de Nossa Senhora do Carmo, em Fortaleza, com a renúncia do padre Plácido Alves de Oliveira. Nomeado vigário-geral pelo arcebispo D. Manuel, recebeu, em 25 de dezembro de 1924, o título de protonotário apostólico.

Em 9 de agosto de 1928, fundou-se o leprosário da Canafístula, em Redenção, com verba doada pelo industrial Antônio Diogo Vidal de Siqueira (a quem posteriormente a colônia viria tomar o nome), e o Monsenhor Tabosa Braga foi seu primeiro pároco, além de benfeitor. Também ampliou a Igreja Matriz da cidade de Palmácia, localizada no Maciço de Baturité.

Também foi jornalista, usando o pseudônimo “O Velho Nicodemus”, assinava as cartas seguidamente publicadas no jornal “Cruzeiro do Norte”.

A cidade de Monsenhor Tabosa, no Ceará, é uma homenagem ao Sacerdote. Fica a 319 km da capital, Fortaleza. É também, nome de uma avenida em Fortaleza, que é um grande shopping a céu aberto.

Fonte: www.ceara.pro.br / A matriz do Carmo e seus vigários (Revista do Instituto do Ceará) / Wikipedia
Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*