João de Barro

O joão-de-barro ou forneiro é uma ave conhecida por seu característico ninho de barro em forma de forno (característica compartilhada com muitas espécies dessa família). É a ave símbolo da Argentina, onde é chamado de hornero (“Ave de la Patria” – desde 1928). Possui o dorso inteiramente marrom avermelhado. Apresenta uma suave sobrancelha, formada por penas mais claras, em leve contraste com o restante da plumagem da cabeça. Tem cerca de 20 cm de comprimento e sua plumagem pode mostrar variações regionais; no sul da Argentina tende a ter um tom mais pálido e acinzentado; no Piauí e Bahia as Continue lendo João de Barro

Fogão a lenha

O nome primitivo dado pelos índios timbiras e guaranis ao fogão a lenha que utilizavam, era Tucuruba. Nesse artefato, fogo era feito em um buraco construído diretamente no chão, protegido por algumas pedras. Sobre essas pedras se assentavam as vasilhas de barro e cerâmica. Com o passar do tempo, esse fogão foi sendo modificado e, pelo sabor singular que deixa no alimento, passou também a ganhar espaço nas cozinhas das casas dos bandeirantes. Durante o período escravista, eram feitos em grandes tamanhos, para que fosse possível se cozinhar grandes quantidades de comida para abastecer as senzalas. Fogões menores eram feitos Continue lendo Fogão a lenha

Bodes e Carneiros, os heróis da resistência cearense

A caprinocultura (criação de cabras) e a ovinocultura (criação de ovelhas) têm se destacado no agronegócio brasileiro. A criação de caprinos, com rebanho estimado em 14 milhões de animais, distribuído em 436 mil estabelecimentos agropecuários, colocou o Brasil em 18º lugar do ranking mundial de exportações. Grande parte do rebanho caprino encontra-se no Nordeste, com ênfase para Bahia, Pernambuco, Piauí e Ceará. A ovinocultura tem representatividade na região Nordeste e no estado do Rio Grande do Sul. Carne, pele e lã estão entre os principais produtos. A produção de leite de cabra é de cerca de 21 milhões de litros Continue lendo Bodes e Carneiros, os heróis da resistência cearense

COISAS DO SERTÃO – PARTE 6

Latada – É uma espécie de cabana feita com madeiras e palha de carnaúba na coberta. É usada para proteger do sol ou da chuva. Em algumas festas, a latada é cercada de varas para evitar a entrada de estranhos e é usada como bar. Caneco para água – Feito em madeira e preso com anéis de ferro, é usado para transportar água dos açudes, cacimbas ou cacimbões até as residencias. Seu transporte é feito por animais e os canecos ficam presos em “cangalhas”, que vão no lombo dos animais.

COISAS DO SERTÃO – PARTE 5

Tamborete  – É um pequeno banco, geralmente em madeira, baixo e pequeno, sem braços nem encosto, com assento para apenas uma pessoa. Ele recebeu esse nome porque é feito de couro de animal (o mesmo material usado para fazer tambores) no início ele se parecia muito com tambores, mas era menor, por isso “tamboretes”. Atualmente já se faz com o asento de madeira. Vassoura de palha – É feita com palha de carnaúba, de forma bem tradicional. É amplamente usada no interior e também chegou na cidade há bastante tempo. Até hoje, é utilizada em várias casas, existe inclusive, quem Continue lendo COISAS DO SERTÃO – PARTE 5

COISAS DO SERTÃO – PARTE 4

A Cacimba é um buraco não muito profundo, que se cava próximo a riachos até encontrar água. Geralmente não precisa de balde pera pegar a água, isso pode ser feito com uma “cuia”. O Caçuá é um cesto de cipó que serve para carregar mantimentos, dentre outras coisas, e é transportado por animais de carga apoiados na cangalha.   O Curral é um cercado construído com varas de madeira no mesmo estilo da construção de cercas, que serve para prender o rebanho de gado, ovelhas ou bodes.   A Casa de farinha é o lugar onde se faz a transformação Continue lendo COISAS DO SERTÃO – PARTE 4

COISAS DO SERTÃO – PARTE 3

O Jirau é uma espécie de prateleira usada para se colocar panelas e outros utensílios da cozinha bem como nos quartos para servir de base para malas e outros objetos. É feito de galhos de madeira. Alguns tem sua base recoberta com barro, como na foto, outros somente com os galhos de madeira. Usava-se também do lado de fora da janela das cozinhas, antigamente, para lavar louças em cima. Servia  também como cama, sendo forrado com uma espécie de colchão feito com tecido e palha. Deriva da palavra tupi “yu’ra”. O Pote é um jarro grande de barro, para guardar Continue lendo COISAS DO SERTÃO – PARTE 3

COISAS DO SERTÃO – PARTE 2

A Panela de barro é um dos utensílios de cozinha mais antigos que existem. Praticamente todos os povos da terra em algum momento a utilizaram. Das panelas de barro, secas apenas ao calor ambiente, os povos passaram a cozê-las em fogueiras e fornos, daí surgindo a cerâmica. O Pilão era um utensílio culinário essencial na cozinha do sertão, é normalmente feito de um tronco escavado, geralmente de uma madeira macia, e utiliza-se colocando dentro o material a moer e batendo-lhe com um pau liso, que pode ser de uma madeira mais rija e tem uma das extremidades arredondada, chamado “mão Continue lendo COISAS DO SERTÃO – PARTE 2

COISAS DO SERTÃO – PARTE 1

Para quem é do interior, sente muita saudade por não ver mais coisas que fizeram parte da nossa infância, como o fogão a lenha, panela de barro, pote, quartinha, etc. Vamos aqui, relembrar alguns objetos e utensílios  do sertão, que nos remontam ao tempo dos nossos avós. O Fogão a lenha  é construído em alvenaria e funciona com queimadores de ferro unidos numa única chapa, assentada numa cavidade própria onde é colocada a lenha, ao lado dos queimadores há um cubo formado por placas de ferro onde fica o forno. A Cangalha é uma armação de madeira em que se Continue lendo COISAS DO SERTÃO – PARTE 1