Trinta e poucos anos de poesia – Volume 1

Trinta e poucos anos é coletânea dos versos que eu fazia na adolescência, com algumas pequenas alterações para não fugir do contexto do que sentia e pensava na ápoca. Acesse o e-book AQUI Jaqueline Aragão Cordeiro

Estória de um cearense

I Sou um homem cearense Venho lá do sertão Não tenho água nem roupa Nem comida nem valor Só o corpo sem ação. Quando olho para a terra seca Sinto vontade de chorar A terra é quente como fogo As plantas, talo seco sem folha O povo morrendo sem parar Isso tudo parece um jogo, um sonho Senhor Deus, me faça acordar II As mulheres não tem mais leite As crianças pequenas morrem de fome Os animais estão magros como vara Os homens não tem serviço Pra’s famílias sustentar Nosso povo some Nossas pernas não tem força pra andar Somos Continue lendo Estória de um cearense

Tim Maia canta “Padre Cícero”

Música: Padre Cícero Cantor: Tim Maia Ano de lançamento: 1970 Letra: No sertão do Crato, Nasce um homem pobre Porém muito jovem, porém muito jovem Todo mundo vai saber, Quem ele é Este homem estuda, Mesmo sem ajuda Se formou primeiro E no Juazeiro Todo mundo respeitou, O padre Cicero, Padre Cicero, Padre Cicero, padre Cicero Daí então tudo mudou, De reverendo a lutador Desperta ódio e amor, passaram anos pra saber Se era bom ou mal, Mas ninguém Até hoje afirmou Era um triste dia, Pois alguém jazia Cego, surdo e pobre, Cego, surdo e pobre Desse jeito faleceu, Continue lendo Tim Maia canta “Padre Cícero”

Música – Amor escondido

Música – Chorar é preciso

Música – Estrada de Canindé

Música – Chorei por você

Música – Pressentimento

Música – Terral

Música de cearense – Mucuripe

Veja lindas musicas compostas e interpretadas por cantores cearenses. Música: Mucuripe – Fagner e Belchior Jaqueline Aragão Cordeiro

Sou cabra da peste – Patativa do Assaré

Nessa poesia de Patativa, reproduzimos fielmente a escrita, respeitando o linguajar do poeta. Eu sou da terra que o povo padece Mas nunca esmorece procura vencê Da terra adorada, que a bela cabôca De riso na boca zomba do sofrê. Não nego meu sangue, não nego meu nome Olho pra fome e pergunto: o que há? Eu sou brasilêro, fio do Nordeste Sou cabra da peste, sou do Ceará. Tem munta beleza minha terra boa, Derne o vale à serra, da terra ao sertão. Por ela eu me acabo, dou a prope vida, É terra querida do meu coração. Meu Continue lendo Sou cabra da peste – Patativa do Assaré

Chuva de honestidade – Flávio Leandro

Chuva de honestidade Flávio Leandro Francisco Flávio Leandro Furtado é um cantor e compositor pernambucano, nascido em Bodocó http://flavioleandro.mus.br/

Ceará em versos – Baião

  Baião Luiz Gonzaga Eu vou mostrar pra vocês Como se dança o baião E quem quiser aprender É favor prestar atenção Morena chega pra cá Bem junto ao meu coração Agora é só me seguir Pois eu vou dançar o baião Eu já dancei balancê Xamego, samba e xerém Mas o baião tem um quê Que as outras danças não têm Oi quem quiser é só dizer Pois eu com satisfação Vou dançar cantando o baião Eu já cantei no Pará Toquei sanfona em Belém Cantei lá no Ceará E sei o que me convém Por isso eu quero Continue lendo Ceará em versos – Baião

Ceará, terra da luz – Italo e Reno

Ceará, terra da luz Italo e Reno com participação de Fagner Imagina um lugar lindo todo colorido pintado na bela tela pelo criador Imagina o meu lugar dos sonhos o meu paraíso  As cores da felicidade sorrindo pra você  Imagina meu porto seguro minha alegria  Eu agradeço todo dia eu tenho amor e paz Daqui o mundo é tão bonito pode ter certeza  Tanta beleza, não troco por nada  Eu sou feliz demais  E o sol iluminando os corações  E o verde do teu mar que me seduz  A tua maravilha encanta, eu posso me orgulhar  Porque eu sou cearense, Continue lendo Ceará, terra da luz – Italo e Reno

Beira Mar – Ednardo

Música: Beira Mar Compositor: Ednardo Na beira mar Entre luzes que lhe escondem Só sorrisos me respondem Que eu me perco de você Que eu me perco de você Você nem viu A lua cheia que eu guardei A lua cheia que esperei Você nem viu, você nem viu (bis) Viva o som da nossa idade Forte praia, minha cidade Só o meu grito nega aos quatro ventos A verdade que eu não quero ver Só o meu grito nega aos quatro ventos A verdade que eu não quero ver Na beira mar Entre luzes que lhe escondem Só sorrisos Continue lendo Beira Mar – Ednardo