Barcovi, o chato da Praça do Ferreira

José Wagner Benevides, era empresário da construção civil e um especialista no anedotário da Praça do Ferreira. Costumava contar os casos do BARCOVI. Barcovi era um desses moralistas empedernidos, apóstolo dos bons costumes, cuja vida é dedicada a combater os vícios do mundo e a encher o saco de quantos bebedores, fumantes e jogadores de baralho e roletas que encontra pela frente. Um chato com Certeza. BARCOVI relegou seu nome original e passou a se identificar por esta sigla: BARreira COntra o VIcio. Como se vê, o cara é demais. Contava o José Wagner que, certa tarde, nos anos 50, Continue lendo Barcovi, o chato da Praça do Ferreira

A hegemonia Urbana de Fortaleza e o Governo de Martiniano de Alencar

Desde o final do século XVIII, o algodão do Ceará fazia parte da agenda de produtos exportados pelo Brasil. A vila, aos poucos, foi sendo dotada de infraestrutura e serviços para atender às transações comerciais diretas com Lisboa, iniciadas em 1804. Durante o século XIX, com o avanço da indústria têxtil na Europa, aumentou consideravelmente a demanda pelo produto. A partir de meados do século XIX, a queda na produção de outros fornecedores e a Guerra da Secessão (1861-64) nos Estados Unidos, poderoso concorrente, contribuíram para expandir significativamente a indústria algodoeira cearense e para dinamizar o comércio de sua capital. Continue lendo A hegemonia Urbana de Fortaleza e o Governo de Martiniano de Alencar

José do Patrocínio

José Carlos do Patrocínio, mais conhecido como José do Patrocínio, nasceu em Campos, RJ, em 9 de outubro de 1853, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 29 de janeiro de 1905. Foi jornalista, orador, poeta e romancista,. Compareceu às sessões preparatórias da instalação da Academia Brasileira de Letras e fundou a cadeira nº 21, que tem como patrono Joaquim Serra. Era filho natural do Padre João Carlos Monteiro, vigário da paróquia e orador sacro de grande fama na capela imperial, e de “tia” Justina, quitandeira. Passou a infância na fazenda paterna da Lagoa de Cima, onde pôde observar, Continue lendo José do Patrocínio

Inauguração do Cine São Luis em 1958

A construção foi iniciada em 1939 pelo Grupo Severiano Ribeiro, e em 1958, a edificação foi concluída e inaugurada. Sua primeira sessão foi em 26 de Março, com a exibição do filme Anastácia, a princesa esquecida, e a renda foi revertida em benefício da Campanha de Benfeitores da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza e do Asilo do Bom Pastor. Estiveram presentes à solenidade as autoridades locais e o Senhor Luiz Severiano Ribeiro, idealizador e proprietário do Cinema São Luiz. A programação ainda se estendeu por um mês, tendo projeção de filmes diariamente. Jaqueline Aragão Cordeiro

Colônia Cristina e Leprosário Antônio Diogo

A Colônia Cristina, criada em 1880, foi um lugar de acolhimento para os órfãos, vítimas da grande seca que assolou o Ceará no período 1877 a 1879. O local foi construído nas terras doadas pelo comendador Luiz Ribeiro da Cunha e sua esposa Maria Carolina Vieira ao Governo da Província no dia 10 de abril de 1880 No dia 10 de setembro de 1894, a Lei nº 158 autorizou a transformação da Colônia Agrícola e Orfanológica Cristina em Colônia Correcional Agrícola. Mais tarde, pela Lei nº 856, de 27 de agosto de 1906, foi autorizado ali, a criação de uma Continue lendo Colônia Cristina e Leprosário Antônio Diogo

Algodão, o ouro branco do Nordeste

A partir de 1680, o Siará passou à condição de capitania subalterna de Pernambuco, desligada do Estado do Maranhão. A região só se tornou administrativamente independente em 1799, quando foi desmembrada de Pernambuco e o cultivo do algodão despontou como uma importante atividade econômica. Com o declínio do ciclo da pecuária no final do século XVIII, tem início um novo ciclo que transformaria a economia do Ceará e, consequentemente, a de Fortaleza: o do algodão, também chamado de ouro branco. Até então, a cotonicultura era uma atividade secundária, praticada paralelamente à pecuária. Sua produção destinava-se basicamente ao mercado do Recife. Continue lendo Algodão, o ouro branco do Nordeste

Caldeirão do Beato Zé Lourenço

Para ver o vídeo, é só clicar no título do post TV Assembleia – Ceará

Jornal “O Povo” noticia sobre os campos de concentração no Ceará

Leia sobre os campos de concentração no Ceará AQUI e AQUI Jaqueline Aragão Cordeiro

Agostinha Alves de Carvalho e o Alferes Antônio Domingues

Manoel da Rocha Franco, português, era casado com Maria Sanches de Carvalho, moravam em Portugal e mudaram-se para o Brasil na metade do século XVIII e foram morar em Recife. Vieram com eles seu cunhado Domingos Sanches de Carvalho a suas sete filhas do casal: Antônia Franco de Carvalho Senhorinha de Carvalho Anacleta da Silva de Carvalho Eugenia Gonçalves de Carvalho Agostinha Alves de Carvalho Lina de Carvalho Bernardina Sanches de Carvalho A mudança da família para o Brasil se deu, por causa do namoro de sua filha Agostinha com o Alferes Antônio Domingues Alves, relacionamento esse não permitido pois Continue lendo Agostinha Alves de Carvalho e o Alferes Antônio Domingues

João André Teixeira Mendes, o Canela Preta

João André Teixeira Mendes, o Canela Preta, nasceu no dia 17 de março de 1781, na Vila de Icó, e faleceu com 93 anos, em Icó. Casou-se no dia 06/07/1803, na Capela do Rosário na Vila do Icó, com a sua prima Maria Demétria do Coração de Jesus. João André Teixeira Mendes pertenceu ao Partido Conservador, ligado a Joaquim Pinto Madeira até 1831. Foi um perseguidor implacável da família Alencar e seus maiores inimigos foram os Cavalcante, a quem matou muitos membros da família. Em 1823 é criado o partido patriota do Icó, uma minoria na luta contra os portugueses Continue lendo João André Teixeira Mendes, o Canela Preta