Independência do Brasil

IMG_20160907_085139_174

Com as Revoluções na Europa, a família Real Portuguesa decidiu que seria melhor se mudar para o Brasil. Assim, em 1808, a Corte Real desembarcou em terras brasileiras, decidindo que os portos brasileiros passariam a ser abertos para todas as nações do mundo. Este foi o primeiro grande passo para o desejo de independência do país.

Porém, existiam diversos problemas e divergências entre os portugueses e brasileiros, como a escravidão, a luta territorial, as rebeliões, os privilégios da burguesia e etc.

No final de agosto de 1822, depois de se deslocar para São Paulo com o propósito de apaziguar uma rebelião contra José Bonifácio, D. Pedro I resolveu romper os laços de união política com Portugal, mesmo com seu pai, o rei D. João VI, pedindo para que ele voltasse à Portugal imediatamente.

A emancipação brasileira do reino de Portugal, no dia 7 de setembro de 1822, data que ficou conhecida pelo episódio do “Grito do Ipiranga”.

Com a emancipação, D. Pedro I foi coroado Imperador do Brasil.

Jaqueline Aragão Cordeiro

Praça Portugal

1473042701740

Praça Portugal é uma praça de Fortaleza que fica no bairro Aldeota. Foi criada em 1947, de autoria da arquiteta e paisagista Maria Clara Nogueira Paes. A praça tem formato circular e fica no meio do cruzamento das avenidas Dom Luís e Desembargador Moreira. Ao seu redor existem muitas lojas em shoppings “open mall” e o shopping Aldeota. No final de ano, é montada uma das tradicionais árvores de natal gigante que decoram Fortaleza nesse período.

A Praça Portugal foi considerada um dos melhores projetos de praça do Brasil, tendo sido publicação destaque no Quadro do Paisagismo no Brasil/ Edição Faculdade de Arquitetura e Urbanismo USP.

Iniciada no fim de abril, as obras da Praça Portugal, foram concluídas e a requalificação do espaço foi inaugurada nesta sexta-feira, 2. O projeto, que inicialmente gerou polêmicas, foi reformulado e a praça central, onde fica a Esfera Armilar, teve redução de quatro metros de raio, mas manteve as características do logradouro. Quem a visitava na noite desta sexta-feira dizia se admirar com a beleza do novo espaço.

IMG-20160904-WA0089

A redução na praça deu lugar a mais uma faixa de trânsito, destinada ao melhor deslocamento do transporte público. A ciclofaixa da avenida Dom Luis agora tem continuidade e ganhou espaço, contornando a praça.

Outro destaque são as faixas de pedestre, equipadas com botoeiras, que facilitam o acesso de transeuntes a praça central e o trânsito entre as quatro praças laterais criadas.

IMG-20160904-WA0091

No total – o conjunto da central com os espaços laterais – conforme a Secretaria do Urbanismo e Meio Ambiente, a praça teve sua área aumentada em 37,76%, passando de 7.545,49 m² para 10.394,12 m²

IMG-20160904-WA0084

As árvores também foram, quase em sua totalidade, mantidas. A Seuma estima que a cobertura de áreas verde tenha inclusive aumentado no espaço em 90%.

IMG-20160904-WA0090

Homenagem
O empresário Ivens Dias Branco, descendente de portugueses, agora é homenageado com uma estátua, que representa a importância da comunidade portuguesa para o desenvolvimento de Fortaleza.

Presentes
O governador Camilo Santana (PT) e a titular da Seuma, Águeda Muniz, estiveram presentes na inauguração. Águeda ressaltou a simplicidade do projeto. Camilo destacou o papel de espaço de convivência que a praça tem

Adotada
A praça foi adota por meio do Programa de Adoção de Praças e Áreas Verdes e será mantida pelas empresas C. Rolim Engenhairia, Marquise e Consórcio Fujita Engenharia e Mercurius Engenharia.

Linha do tempo

Dezembro de 2013 – Anúncio de projeto com criação de um túnel para o acesso de pessoas ao centro da Praça.
8 de março de 2014 – Projeto polêmico previa destruição da praça central que daria lugar a um cruzamento e a criação de quatro praças laterais. O projeto era a integração do Binário Santos Dumont – Dom Luís e  deveria ser feito até primeiro semestre de 2014.
11 de março de 2014 – Ministério Público recomenda suspensão do ínício das obras na praça. A obra previa a retirada, com replantio, de 202 árvores, e segundo o MP não teria passado por discussão com a sociedade. Rebatendo às críticas ao projeto, o prefeito Roberto Claúdio disse: “Isso não é uma praça, é uma rotatória”.
12 de março de 2014 – Prefeito diz que vai enviar projeto para Câmara Municipal e dá seguimento ao binário. Comunidade portuguesa
defende a permanência da praça.
12 de abril de 2014 – Ativistas pintam faixas de pedestre para ter acesso à praça.
16 de abril de 2014 – Secrtaria de Cultura de Fortaleza recebe pedido de tombamento da praça feito pelo vereador João Alfredo.
19 de maio de 2014 – Prefeitura começa a liberar o Binário. Obra na praça continua inviabilizada.
21 de maio de 2014 – Câmara cria comissão para analisar projeto de lei que permitiria obra.
25 de maio de 2014 – MPE prevê entrar com ação de tombamento da praça.
4 de julho de 2015- Conselho de Proteção ao Patrimônio Histórico (Comphic) nega recurso para início de obra da praça.
27 de agosto de 2015- Prefeitura prevê início das obras para outubro de 2014.
18 de setembro de 2015- Tribunal de Justiça libera obra.
17 de dezembro de 2015- Prefeitura prevê início das obras para março de 2015.
6 de março de 2015- Novo pedido de tombamento tramita na Secult.
10 de abril de 2015 – Vice-cônsul de Portugal declara estimar que o projeto da praça seja modificado para a manutenção da praça central.
28 de maio de 2015 – Secretaria de Cultura de Fortaleza declara que tombamento não é cabível, sem submeter proposta ao Conselho de Proteção ao Patrimônio Histórico.
17 de junho de 2015 – Conselho Estadual de Patrimônio Cultural (Coepa) arquiva tombamento. Prefeitura anuncia início das obras até setembro.
22 de outubro de 2015 – Prefeitura anuncia estudo de novo projeto que mantem a praça central, com redução de 4 m de raio. Projeto ainda gera polêmicas e opiniões contrárias.
5 de novembro de 2015- Prefeitura define projeto final da praça, com manutenção da central e construção de praças laterais.
17 de fevereiro de 2016- Prefeitura pleiteia custeio integral da obra pela iniciativa privada.
18 de abril de 2016- Início das obras, com  anúncio de  retirada de duas  árvores e replantio de outras 10.
25 de maio de 2016- Prazo de entrega para setembro é defendido pela Prefeitura.
20 de julho de 2016 – Quarto subterrâneo soterrado por obras anteriores, que era casa de maquinas e dependência de apoio ao pessoal da manutenção, é revelado durante obras.
2 de setembro de 2016- Inauguração

Fonte: Jornal O Povo
Fotos: Arquivo pessoal

Jaqueline Aragão Cordeiro