Príncipe dos Poetas Cearenses

O título de Príncipe dos Poetas Cearenses surgiu com a ideia do jornalista Demócrito Rocha de premiar o melhor dentre os poetas vivos do Estado.  Em 1925, o jornalista fundador de O Povo promoveu consultas na Revista Ceará Ilustrado, a fim de que fosse escolhido o vencedor. Concorreram nomes como Antônio Sales, Júlio Maciel, Cruz Filho e outros grandes poetas, porém, o escolhido fora o Padre Antônio Tomás.

Após a morte do Padre Antonio Tomás, em 1941, o principado ficou vago, até que o antigo jornal Correio do Ceará organizou um outro certame em 1963, vencido por Cruz Filho. Com a morte deste, em 1974, tornou-se a estar vago o título, logo preenchido por Jáder de Carvalho. Finalmente, quando este faleceu, em 1985, fora escolhido o atual Príncipe, Artur Eduardo Benevides.

Contribuíram para a eleição a Academia Cearense de Letras, a Academia Cearense da Língua Portuguesa, a Academia Cearense de Retórica, Academia Cearense de Farmácia, a Academia de Letras de Sobral, Instituto do Ceará, a Ordem dos Advogados do Brasil, secção Ceará, o Instituto dos Advogados do Ceará, o Conselho Estadual de Cultura, o Grupo Clã, a Ala Feminina da Casa de Juvenal Galeno, a Associação Cearense de Imprensa, a União Brasileira de Trovadores, a Sociedade Amigas do Livro e o Núcleo de Literatura da UFC.

Os Príncipes
Padre Antônio Tomás (1925-1941)
Cruz Filho (1963-1974)
Jáder de Carvalho (1974-1985)
Artur Eduardo Benevides (1985)

Fonte: Wikipédia
Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*