Augusto Cordeiro da Rocha

 
Augusto Cordeiro da Rocha nasceu na villa de Canindé em 15 de Fevereiro de 1867 e faleceu em 25/09/1923. Era filho do Capitão Francisco Cordeiro da Rocha e de Isabel Cordeiro da Cruz Rocha, filha do Tenente General Simão Barbosa Cordeiro, foi pai do Capitão Manoel Antônio da Rocha, e avô de Augusto Cordeiro da Rocha.
 
Pelo lado paterno sua ascendência vem no antigo Cel. de Campo José Joaquim da Rocha, descendente de uma família de Pernambuco, o qual veio para o Ceará em companhia do irmão Padre Dr. Visitador da Capitania Manoel Antônio da Rocha, por volta de 1780, e casou com Rosa da Ressurreição Vianna, filha de Bento Pereira Vianna, português, que foi Mestre de Campo do terço de infantaria auxiliar da marinha da Ribeira do Acaraú.
 
José Joaquim da Rocha, filho do citado Coronel de Campo, era seu bisavô. Esse foi Cel. de milícias e comandante da Ribeira do Acaraú, casou em Canindé com Izabel Barbosa Cordeiro, Pelo lado materno é bisneto do português José Joaquim da Cruz, licenciado em cirurgia, que casou com Maria do Nascimento Barbosa Cordeiro, filha de Simão Barbosa Cordeiro e neto do Tenente José Joaquim Cordeiro da Cruz, que foi casado com Anna Clara Ferreira Rabello, filha do Capitão mor Bento Ferreira Rabello.
 
Augusto Rocha cursou as aulas do “Atheneu Cearense” em Fortaleza, até 1883, quando se dedicou á carreira comercial, e foi empregar-se na cidade de Baturité. Em 1888 exerceu o cargo de pagador da 3º secção da Comissão de melhoramentos de Ladeiras e Estradas na dita cidade.
 
Voltando á atividade comercial, foi ainda empregado e depois negociante em Baturité até 1897 e ali fundou e redigiu o jornal literário O Livro. Em Canindé fundou o periódico “O Canindé” (1º jornal da localidade) com Thomaz Barbosa e Cruz Filho, em sete de Junho de 1903. Também colaborou em diversos outros jornais, como O Norte, O Ceará, O Estado, de Fortaleza, O Município, de Baturité, e por ultimo colaborou no Álbum Imperial, de São Paulo, no qual publicou uma serie de escritos referentes á historia de Canindé, sob o titulo Canindeenses Ilustres, destinada a ser apensa á sua obra, inédita, Genealogia da Família Barbosa Cordeiro.
 
Fundou com outros o “Grêmio Literário Affonso Celso” em Canindé, e nessa localidade exerceu algum tempo o cargo de professor do “Colégio S. Francisco”, mantido pelos beneméritos frades capuchinhos. Era ainda, sócio correspondente do “Centro Cearense” do Rio de Janeiro. Escreveu ainda o “Santuário de São Francisco de Canindé”, e o panfleto “Leôncio Serroni”, Fortaleza, 1909, de 19 pp.
 
Fonte: Portal da história do Ceará
Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*