Brasões de família

Um brasão de armas ou, simplesmente, brasão, na tradição europeia medieval, é um desenho especificamente criado, obedecendo às leis da heráldica, com a finalidade de identificar indivíduos, famílias, clãs, corporações, cidades, regiões e nações.

O desenho de um brasão é normalmente colocado num suporte em forma de escudo que representa a arma de defesa homônima usada pelos guerreiros medievais. No entanto, o desenho pode ser representado sobre outros suportes, como bandeiras, vestuário, elementos arquitetônicos  mobiliário, objetos pessoais, etc. A partir do século XIX, com a ascensão ao poder da Burguesia e o declínio da Aristocracia, o brasão foi perdendo a sua importância. 

A heráldica refere-se simultaneamente à ciência e à arte de descrever os brasões de armas ou escudos. As origens da heráldica remontam aos tempos em que era imperativo distinguir os participantes das batalhas e dos torneios, assim como descrever os serviços por eles prestados e que eram pintados nos seus escudos. No entanto, é importante notar que um brasão de armas é definido não visualmente, mas antes pela sua descrição escrita, a qual é dada numa linguagem própria – a linguagem heráldica.

Família Aragão – O sobrenome Aragão vem do nome da Casa Real de Aragão e teria chegado a Portugal com D. Pedro de Aragão, filho ilegítimo do rei Pedro III de Aragão, que veio a Portugal junto com sua meia-irmã a rainha Isabel de Aragão, que havia se casado com o rei português D. Dinis I de Portugal (Brasão Oficial de Aragão desde 1984)
Família Barbosa – O sobrenome Barbosa é classificado como sendo de origem Francesa e Espanhola, é antiquíssima entre as famílias da Espanha
Família Pinto – Família oriunda da região de Basto, descendente de Manuel Ferreira Pinto, nascido em finais do século XVII na freguesia de S.Jorge, do Couto de Abadim, em Cabeceiras de Basto, vila portuguesa no Distrito de Braga
Família Cordeiro – Alguns acreditam que o sobrenome tenha vindo da Espanha e é uma variação de Cordero. A família Cordero teria surgido em Astúrias passando a Galiza e depois a Portugal, onde ganhou a variação Cordeiro.
Família Ximenes – O sobrenome Ximenes deriva-se do patronímico do nome próprio de Ximeno que era muito freqüente nos primeiros séculos da era cristã, tendo como país de origem a Espanha. O primeiro a usar este apelido como sobrenome foi García Ximenes de Bigorre, conde de Bigorre

Fonte: Wikipédia
Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*