O Cajueiro da Mentira ou Cajueiro Botador

O Cajueiro da Mentira ou Cajueiro Botador ficava na Praça do Ferreira do lado da Rua Floriano Peixoto, aproximadamente entre a delegacia de Polícia (hoje o Palacete Ceará) e a telefônica (hoje Livraria Alaor), por trás da parte urbanizada em 1902 por Guilherme Rocha, onde ficava o Jardim Sete de Setembro. Tinha esse nome porque dava frutos o ano inteiro.

A foto mais antiga, que data aproximadamente de 1907, traz um dos momentos de reunião dos habitues da Praça do Ferreira que no Cajueiro da Mentira ou Cajueiro Botador, contavam suas histórias, seus “causos”, seus contos, enfim, dão vazão a seus espíritos criativos.

Todos os dias 1º de abril à sombra do “Cajueiro Botador” havia uma sessão de mentiras e em seguida a eleição do melhor dos mentirosos, tudo feito festivamente, com urna pendurada no tronco da árvore, tudo enfeitado de bandeirinhas de papel colorido, fogos a valer, música tocada por parte de alguma banda da polícia ou de outra corporação. A bebida não faltava e o café mais próximo ao cajueiro era o Café Java, que no dia tinha cerveja à vontade.

À noite o nome do vitorioso era colocado escrito em placa no tronco do cajueiro, sendo na hora homenageado com discursos, aplausos, risos, palmas, mas havia também os que não gostavam da brincadeira.

A brincadeira, de acordo com Raimundo Girão, iniciou-se em 1904, sendo iniciada por Álvaro Weyne, Antônio Martins, Henrique Cals, José Raimundo Costa, Porfírio da Costa Ribeiro, todos comerciantes na Rua Floriano Peixoto em frente à Praça do Ferreira. Outros elementos engrossaram a fila dos “mentirosos”, todos ilustres, como Amâncio Cavalcante, Leonardo Mota, Eurico Pinto, Gérson Faria, William Peter Bernard, Ramos Cotoco, Chamarion, Carlos Severo, Gilberto Câmara, Quintino Cunha, o Rochinha da farmácia e o Pilombeta, conforme nos diz Otacílio de Azevedo em seu “Fortaleza descalça”.

Em 1920 a praça foi reformada, na gestão do prefeito Godofredo Maciel e foram banidos os quiosques dos cafés e também o “cajueiro botador”, assim chamado por dar frutos o ano inteiro.

No local existe hoje uma placa que diz: “Neste local existiu um frondoso cajueiro que por frutificar o ano todo era apelidado “Cajueiro Botador”, ou por se realizarem, sob sua copa, cada 1º de abril as eleições para o maior “potoqueiro” do Ceará, era também chamado de “cajueiro da mentira”. Abatido, em 1920, com a reforma do logradouro, então realizada, foi em sua memória plantado este novo cajueiro, quando da restauração da praça, na administração Juraci Magalhães”. Só que o cajueiro ali plantado há muito morreu e não foi plantado outro, restando apenas a placa.

Fonte: ceara.pro.br / Fortaleza descalça (Otacilio de Azevedo)
Fotos: Arquio Nirez / Arquivo pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*