Frutbiss – Picolés e Sorvetes

A trajetória do sorvete frutbiss teve inicio em 1991 quando a dona de casa Vanda Costa surpreendia seus familiares e amigos ao preparar deliciosas sobremesas geladas que acompanhavam os almoços dominicais. Visando melhorias pessoais, Vanda matriculou-se em um curso de culinária para que pudesse aprender mais sobre como preparar picolés e sorvetes caseiros.

As receitas preparadas por ela, após a conclusão do curso de culinária, logo agradaram aos familiares e vizinhos, que ao saber da novidade, pediam para experimentar as delícias. Assim, de imediato, aprovavam o sabor.

O clima quente do Estado cearense, conhecido como a “Terra do Sol”, favorecia o negócio. Dessa forma, Gutemberg Costa, artesão e marido de Vanda, resolveu unir forças com a sua esposa e investir fortemente no novo projeto.

Inicialmente, o casal atendia apenas as proximidades. Seus clientes eram os comerciantes de pequeno porte, como: restaurantes, mercadinhos e panificadoras da vizinhança. A clientela e o volume de pedidos foram aumentando gradativamente no decorrer do ano de 1992.

Em 1993, mantendo um alto padrão de qualidade em seus produtos feitos a base de frutas variadas, o negócio familiar começava a despontar com visão empresarial. E nesse mesmo período foi contratado o primeiro funcionário. A partir daí, nasceu a FRUTBISS.

A empresa se expandiu e aprimorou seus processos. Em 2003, os picolés e sorvetes da FRUTBISS eram fornecidos para as maiores redes de supermercados do Estado do Ceará. Já no ano de 2006, chegou ao Piauí e também a Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Atualmente, a FRUTBISS é uma das principais indústrias no Segmento de Sorvetes do Norte/Nordeste. Destaca-se pela preferência de seus produtos, de acordo com a consultoria Nielsen, em pesquisa publicada pela Revista “Supermercado Moderno”. A empresa ocupa o posto de Terceiro Maior Fornecedor de Sorvetes no Nordeste, sendo o Segundo Maior no Mercado Cearense.

Linha completas dos produtos aqui
Fonte: Site oficial
Jaqueline Aragão Cordeiro

Author: Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *