Marechal Casimiro Montenegro

Casimiro Montenegro Filho nasceu em Fortaleza, no dia 29 de outubro de 1904, era filho de Casimiro Ribeiro Brasil Montenegro e de Maria Emília Pio Brasil.

Fez seus primeiros estudos na sua cidade natal e, aos 19 anos de idade, contrariando o seu pai, viaja para a cidade do Rio de Janeiro (com a ajuda do seu irmão mais velho, Alfredo) para tornar-se militar. No Rio de Janeiro, entra para a Escola Militar do Realengo.

Em 1930, já Tenente do Exército e instrutor de vôo, participa da revolução que derruba a velha oligarquia do café com leite.

Em 12 de junho de 1931 realiza o primeiro voo do CAM (Correio Aéreo Militar, transformado, mais tarde, no Correio Aéreo Nacional), entre o Rio de Janeiro e São Paulo, serviço este que ajudou a criar e também abriu várias novas rotas com destinos como o sul e o nordeste do país.

No voo realizado em 12 de junho foi acompanhado pelo co-piloto Tenente Nelson Freire Lavenère-Wanderley, saindo, ambos num avião monomotor biplano Curtiss Fledgling matrícula K263 do Campo dos Afonsos, no Rio, com destino ao Campo de Marte, no centro de São Paulo, porém, por problemas meteorológicos o Curtiss aterrissou no Hipódromo da Mooca e para completar a missão foi necessário pegar um táxi para chegar ao prédio dos Correios na Avenida São João.

Na revolução de 1932, Casimiro era o comandante chefe do Destacamento de Aviação de São Paulo e como permaneceu fiel ao governo federal foi preso pelas tropas paulista, ficando, assim, detido por 85 dias.

Após a criação do Ministério da Aeronáutica, para o qual migrou, proveniente da Aviação do Exército, o Tenente-coronel Casimiro realiza visitas no MIT, nos EUA, nos anos de 1943 e 1944, e destas visitas nasce à intenção de criar uma instituição similar no Brasil, com o objetivo de desenvolver profissionais e tecnologia aeronáutica.

Com a ajuda do professor e chefe do Departamento de Engenharia Aeronáutica do MIT, Richard Harbert Smith, desenvolve as diretrizes desta nova instituição. No restante da década de 1940, Casimiro envolve-se, direta e indiretamente, na construção de seu sonho, na cidade de São José dos Campos e no início da década seguinte o CTA/ITA já é uma realidade.

Em 25 de fevereiro de 1954, aos 49 anos de idade, Casimiro casa-se com Maria Antonietta, sua sobrinha de 29 anos.

Casimiro ocupou a direção do CTA por longos períodos até 1965, quando foi exonerado pelo Ministro Eduardo Gomes, para não mais retornar. Neste período ausentou-se algumas vezes do cargo, porém, sempre trabalhou para o crescimento do instituto ao qual sonhou e idealizou em 1943.

O Marechal Casimiro Montenegro Filho morreu aos 95 anos de idade, em Petrópolis, na madrugada do dia 26 de fevereiro de 2000, e foi enterrado com honras militares, quando o seu caixão foi conduzido por seis alunos do ITA. De um lado, três civis, de paletó e gravata, do outro lado, três militares, em farda de gala. O corpo de Montenegro repousa na Cripta dos Aviadores do cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro.

É patrono da Área de Engenharia da FAB e da Academia Nacional de Engenharia. A vida de Montenegro está relatada em pormenores na obra de Fernando Morais: Montenegro As Aventuras do Marechal que Fez uma Revolução nos Céus do Brasil, lançada em 2006 pela Editora Planeta.

Fonte: Wikipédia
Jaqueline Aragão Cordeiro

Author: Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *