Padre Gonçalo Mororó

Gonçalo Inácio de Loiola Albuquerque e Melo, nasceu em Groaíras, então chamada de Riacho dos Guimarães em 24 de julho de 1774 e foi fuzilado em Fortaleza no dia 30 de abril de 1825. Era conhecido como Padre Mororó. Filho de Félix José de Sousa e Oliveira e de Teodósia Maria de Jesus Madeira. Era primo-irmão do padre Miguelinho e primo-tio de Tomás Pompeu de Sousa Brasil.

Iniciou seus estudos no interior do Ceará, partindo, aos vinte e dois anos, para Pernambuco, onde se matricula no curso de Teologia. Ordenou-se sacerdote em 1802 no Seminário de Olinda, que segue orientação iluminista e com influencia na formação de idéias anti-absolutistas numa geração de jovens. No seminário teve como colegas Frei Caneca, Padre Miguelino e Padre João Ribeiro.

Exerceu a atividade religiosa em várias cidades do interior do Ceará, onde chegou a pregar contra a Revolução de 1817. Aos poucos, porém, começou a ter contato com as idéias liberais, graças à leitura do jornal Correio Braziliense.

Quando soube da notícia do fechamento da Constituinte de 1823, liderou o repúdio de Quixeramobim ao autoritarismo do D. Pedro I. Formou-se, então, o movimento que culminaria na Confederação do Equador. Utilizou-se como veículo de comunicação dessas idéias o Diário do Governo do Ceará, o primeiro jornal publicado no estado, cuja redação e direção coube ao Padre Mororó. Em pouco tempo o jornal deixou a condição natural de porta voz do governo para transformar-se em peça de artilharia da campanha por um Nordeste independente. Durante a Confederação, os líderes do movimento no Estado do Ceará fizeram um pacto para que adotassem um sobrenome de origem regional, para confundir as tropas imperiais. Gonçalo adotou o codinome Mororó, nome de uma planta cearense (dando origem assim ao sobrenome, que famílias locais posteriormente adotariam, buscando assim resgatar e manter viva a memória do mártir que sacrificou a sua vida em prol dos nordestinos).

Com o fracasso do movimento, foi preso e condenado à morte pela forca. Entretanto, a pena foi convertida em fuzilamento já que ninguém se prontificou a exercer a vil tarefa de ser o carrasco. Assim, Padre Mororó foi executado no antigo Campo dos Mártires, hoje chamado Praça dos Mártires ou Passeio Público.

Fonte: Wikipédia
Leia mais aqui neste blog
Jaqueline Aragão Cordeiro

Author: Jaqueline Aragão Cordeiro

2 thoughts on “Padre Gonçalo Mororó

  1. Acho pertenso essa familia MORORO meu pai era o sr. MANUEL MORORO E MORREU EM 1973 NA CIDADE DE LIMOEIRO DO NORTE , POR TANTO SE ALGUEM VER ESSA POSTAGEM ENTRA EM CONTATO..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *