Paulino Franklin do Amaral, Barão de Canindé

Paulino Franklin do Amaral

Paulino Franklin do Amaral nasceu em 1842, em Fortaleza e faleceu em 25 março 1892 no Rio de Janeiro. Era filho de Manuel Franklin do Amaral e Paulina do Amaral.

Doutorou-se em Medicina pela Academia do Rio de Janeiro no ano de 1859, sua tese foi sobre:
1 – Operações empregadas para cura dos aneurismas;
2 – Da cerebelite, suas causas, sinais, diagnóstico e tratamento;
3 – Preparação da estriquinina e suas propriedades;
4 – Do centeio esporado e seu emprego nos partos.

Representou o Ceará no parlamento do Império nas legislaturas de 1882/1884 e 1886/1889.

Por sua atuação como médico e político, recebeu muitas condecorações (comendador da Ordem da Rosa, Comendador da Ordem de Cristo, e outras). Também foi distinguido com a condecoração do Busto do Libertador Simon Bolívar, concedida pela Venezuela, e o título de Barão de Canindé.

Carolina Ventura Rodrigues Reidner

Foi casado com Carolina Ventura Rodrigues Reidner, baronesa de Canindé, nascida em 9 abril 1847 e falecida em 1901. Tiveram quatro filhos:

  1. Plínio Franklin Heydner do Amaral
  2. Oscar Franklin Heydner do Amaral
  3. Raul Franklin Heydner do Amaral e
  4. Celina Laura de Canindé

Fonte: Portal da história do Ceará / www.geni.com (genealogia)

Jaqueline Aragão Cordeiro

2 Replies to “Paulino Franklin do Amaral, Barão de Canindé”

  1. De fato, há uma rua, no bairro Montese, em Fortaleza, a homenagear este barão. Viu-se nesta resenha que ele foi médico, diplomado no Rio de Janeiro. Nas imediações, percorre-se outra rua homenageando outro cearense, o Barão de Sobral. Compreendemos que tais honrarias, dadas pelo imperador D. Pedro II, visavam consolidar o prestígio que o nosso monarca procurava encontrar nessas figuras da elite. Mas quase não verificamos, numa megalópole que é Fortaleza, vias e ruas registrando os nomes de pessoas do povo, alguns muito merecedores, entre os quais artesãos, artistas, abnegados profissionais que empregaram a maior parte das suas vidas a serviço da cidade e de seus habitantes, e que para sempre resultarão anônimos.

  2. Oi Gente, estou fazendo uma visitinha por aqui.
    Gostei bastante do site, vou ver se acompanho toda semana suas postagens
    Gosto muito desse tipo de conteúdo um Abraço 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*