Teatro da Ribeira dos Icós

Edifício com características neoclássicas, construído no século XIX (1860), pelo médico francês Dr. Pedro Thebérge, então radicado no Icó. A parte posterior do edifício, ou de complemento, foi alterada no primeiro quartel desse século, conferindo-lhe feições hoje predominantes. Serviu durante anos como casa de espetáculos cinematográficos, sofrendo algumas descaracterizações pela adaptação ao uso de então. Somente nos anos 30, já no século XX, a historiografia do velho teatro ganha contornos precisos, quando, então, tem-se noticia de seu precário estado de conservação e de seu posterior processo de recuperação e reforma, empreendimento da gestão do prefeito José Pereira Curado. A 17 Continue lendo Teatro da Ribeira dos Icós

Bernardo Duarte Brandão, o Barão do Crato

Bernardo Duarte Brandão, o Barão do Crato, nasceu em Icó, no dia 15 de julho de 1832 e faleceu em Paris, no 19 de junho de 1880. Filho de Bernardo Duarte Brandão e de Jacinta Augusta de Carvalho. Teve como irmãos: Jacinta Augusta Duarte Brandão; Margarida Augusta de Carvalho Brandão e Maria do Rosário Augusta de Carvalho Brandão. Formou-se em Direito, em 1854. Foi deputado provincial em duas legislaturas, além de vice-presidente da província do Ceará, depois deputado geral entre 1864 e 1870 (12ª e 13ª legislaturas). Agraciado barão em 14 de setembro de 1866, também era oficial da Imperial Continue lendo Bernardo Duarte Brandão, o Barão do Crato

Pedro Franklin Théberge

Pedro Franklin Théberge nasceu em 1811 em Marcé, na França. Em 1832 obteve o título de Bacharel em Letras pela Universidade de Paris. Pela mesma instituição doutorou-se em Medicina em 1837, ano em que foi para Pernambuco. Em 1842 foi uma das pessoas que recepcionou o engenheiro Vautier em Recife e em 1845 mudou-se para o Ceará, chegando em Icó em 1845, acompanhado de sua esposa Elisa Soulé Theberge e de seu filho Henrique Theberge. Além de ter exercido a medicina, Pedro Théberge escreveu um trabalho pioneiro para a historiografia cearense, o “Esboço Histórico sobre a Província do Ceará”, editado Continue lendo Pedro Franklin Théberge

Icó, uma viagem no tempo

Icó parece uma cidade dividida em dois mundos, a efervescência da cidade grande e o aspecto bucólico da cidade do interior. Crianças brincando na rua, os moradores sentados nas calçadas, e todos se conhecem. Nas ruas, uma sequencia de casas e sobrados de época nos conduzem ao passado glorioso do Ceará, antes de ser terrivelmente assolado pela seca de 1877. As igrejas são a prova da passagem dos Jesuítas e da religiosidade dos habitantes. Mitos e lendas fazem parte da cidade de quase 300 anos, de casarões assombrados, senhoras de feudo com “pinico” de ouro e a famosa “rixa” do Continue lendo Icó, uma viagem no tempo

Largo do Theberge

O sítio histórico de Icó apresenta uma característica urbanística singular: o Largo do Theberge, uma ampla e extensa esplanada que se inicia na praça da cadeia e do teatro e se estende até a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, hoje interrompida pela nova Igreja do Senhor do Bonfim. Esse espaço privilegiado antigamente era o sítio onde as boiadas descansavam e eram comercializadas, na vizinhança do rio Salgado, num tempo em que Icó era uma das maiores feiras de gado do nordeste colonial. Na sua periferia situam-se o Teatro da Ribeira, o sobrado do Barão do Crato, as Igrejas Matriz Continue lendo Largo do Theberge

A epidemia de cólera de 1862

Em fevereiro de 1862, o Ceará foi invadido por uma epidemia de cólera que matou grande parte da população. Foram acometidas as cidades de Icó, Lavras (Lavras da Mangabeira), Maranguape, Crato, Várzea Alegre, Tauá, São Bernardo de Russas, União, Poço da onça, Passagem de pedras (Itaiçaba), Aracati, Iguatu, Sucatinga, Pacatuba, São João do Príncipe, Acarape (Redenção), Arneiróz, Marrecas, (Parambu) Fortaleza, Milagres, Jardim, Jubaia, Tabatinga, Sapupara, Jereraú, Limão, Urucará e Boa Vista. O número de mortos ultrapassou 1000 pessoas: Em Aracati: 65 óbitos; Em Icó: 421 mortos até maio, existem relatos que 1/3 da população morreu; Em Arneiróz e Marrecas, 45 Continue lendo A epidemia de cólera de 1862

Jorge Pontual

Jorge Antônio Barreto Pontual Machado, mais conhecido como Jorge Pontual, nasceu em Fortaleza, no dia 14 de agosto de 1967. Foi casado com a atriz Lavínia Vlasak, o relacionamento durou cinco anos, de 1992 a 1997. Namorou durante dois anos com a jornalista Fran Zanon, e casaram no dia 17 de novembro de 2012, mas se separaram após seis meses de casamento.  É pai de Felipe Pontual, fruto da relação com Mônica Schochi, que mora e estuda em Barcelona. Aos 15 anos, começou a atuar em campanhas publicitárias, porta de entrada para a carreira de ator nos palcos e nas Continue lendo Jorge Pontual