Governadores do Ceará – A era Tasso e os Ferreira Gomes

A ERA TASSO

O ciclo dos coronéis no Ceará acabou a partir de 15 de março de 1987, com a transferência oficial do poder para o jovem empresário Tasso Jereissati.

Tasso Jereissati (1987-1991). Tasso foi eleito com 52,3% dos votos, contra 30% do Coronel Adauto Bezerra. O então jovem empresário tinha o apoio de Gonzaga Mota e do presidente José Sarney, no auge de sua popularidade com o Plano Cruzado. Tasso tinha a imagem da renovação, apoio de setores do empresariado e de grupos organizados num movimento chamado Pró-Mudanças, que agitou o Estado. O governo Tasso, para uns, representou uma mudança profunda na cultura política cearense, através da modernização, do equilíbrio fiscal, econômico e financeiro e da recuperação da credibilidade do Estado. Para outros, uma alteração significativa, porém acompanhada de altos índices de miséria e pobreza, concentração de renda e desemprego.

Ciro Gomes (1991-1995). Ciro foi eleito pela “Coligação Geração Ceará Melhor” com 54,3% dos votos contra 36,9% de Lustosa da Costa da “Coligação Compromisso Ceará Verdade”. A coligação governista ainda elegeu Beni Veras para o Senado, 10 dos 22 deputados federais e 22 dos 46 deputados estaduais.

Polêmico por natureza e brilhante orador, Ciro continuou o projeto burguês iniciado por Tasso, contando agora com total apoio da Assembleia Legislativa. Em sua gestão, para melhor ouvir a elite econômica, criou o “pacto de cooperação empresário/governo”, ao mesmo tempo em que desenvolvia importante política industrial. Nos anos de 1992 e 1993, ocorreu uma grave seca no Estado e mais uma vez verificou-se a fome em larga escala e miséria no sertão. Para conter o colapso de abastecimento de água no Ceará, Ciro criou o chamado “Canal do Trabalhador”, um canal de 115 km construído em três meses para levar água do açude de Orós para a Capital. Nesse período, o governo recebeu um prêmio internacional pela redução da mortalidade infantil.

Tasso Jereissati (1995-1999). Tasso retornou ao Palácio da Cambeba nas eleições de 1994, onde obteve 43,8% dos votos, derrotando no 1º turno o seu principal opositor, Juraci Magalhães. Dentre as realizações de Tasso, destacam-se: a recuperação da estrutura fiscal do Estado, aumento do produto interno bruto (PIB) do Ceará em 5,3%, instalação de mais de 454 empresas industriais, sobretudo nos ramos metalmecânico, calçadistas, têxtil e de confecções e eletroeletrônicos.

Tasso Jereissati (1999-2003). Foi  reeleito em 1998 governando até 2002, fortalecendo ainda mais o poder dos empresários no Estado. Nessa nova gestão, foram realizados projetos audaciosos, como as construções industriais do Porto do Pecém, do aeroporto de Fortaleza e a instalação de uma siderúrgica. Atualmente é senador da República pelo PSDB, eleito nas eleições de 6 de outubro de 2002, com 1.915.781 votos. Como candidato nas últimas eleições (2010) ao Senado, não conseguiu ser reeleito para o mandato de 2011, sendo a primeira vez que perde uma eleição.

Lúcio Alcântara (2003-2006) Foi eleito no 2º turno em 27 de outubro de 2002 com uma pequena diferença de 3.047 votos a mais que a do candidato do PT José Airton Cirilo. Com um placar apertado, a certeza da vitória só chegou nos três últimos boletins divulgados pelo TRE pouco antes da meia-noite. Lúcio venceu com 50,04% dos votos, dando continuidade ao governo de Tasso Jereissati, eleito Senador. O início de seu governo é marcado por crises na educação e na saúde. Já no final de seu governo algumas obras foram retomadas: o Metrofor, a Siderúrgica e outras obras pelo resto do Estado.  Candidatou-se a reeleição em 2006 perdendo para Cid Gomes. Candidatou-se novamente ao governo do estado em 2010 pelo PR, apresentando-se como opositor ao atual governador Cid Gomes, ficou em terceiro lugar com apenas 16,44% dos votos.

A ERA FERREIRA GOMES

Cid Ferreira Gomes (2007-2010) Governador eleito pelo PSB (Partido Socialista Brasileiro) com mais de 60% dos votos, venceu com folga o adversário Lúcio Alcântara do PSDB. O governador Cid Gomes tem como vice o professor Francisco Pinheiro do PT (Partido dos Trabalhadores). Reeleito em 2010 com 61,27% dos votos, enquanto o segundo colocado teve apenas 19,51% dos votos. A marca registrada de seu governo é o programa “Ronda do quarteirão”

Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*