Sitio Lucas em Beberibe

Um casarão de quase dois séculos rodeado por uma extensa propriedade rural com verde por todos os lados convida a um passeio sem pressa pelo Sítio Lucas, em Beberibe. O local preserva os antigos costumes do campo e sugere um roteiro de incentivo ao turismo rural no litoral Leste cearense.

Berço da cidade de Beberibe, o Sítio Lucas, pertencente à família Queiroz Ferreira, desponta para um novo segmento turístico cearense, o turismo rural. A origem da localidade é de 1818 e nos quase dois séculos de pleno funcionamento, o sítio vem mantendo as atividades rurais auto-sustentáveis, provendo seus proprietários e moradores.

No sítio, a casa de farinha, o engenho de cana-de-açúcar, o alambique e a casa das doceiras funcionam normalmente. E a intenção dos proprietários é compartilhar todos os momentos do dia-a-dia no campo com os visitantes. Por este motivo, nos últimos quatro anos, o Sítio Lucas vem se reestruturando para receber os turistas que chegam a Beberibe em busca de suas belas praias.

A propriedade já conta com uma boa infra-estrutura de atendimento, com restaurante onde são servidos café-da-manhã regional e almoço, bodega com vendas dos produtos produzidos no sítio, como a rapadura, a cachaça, a tapioca, os queijos e os doces caseiros. E o mais interessante, é permitido que o visitante conheça todas as atividades de produção do sítio, desde a raspagem da mandioca para o preparo das tapiocas e dos beijus até a moagem da cana-de-açúcar para a produção da rapadura e também da cachaça artesanal.

Além de todo o passeio pela extensa propriedade, que pode ser a cavalo, de charrete ou mesmo a pé, o visitante têm a oportunidade de conversar com os descendentes diretos dos primeiros donos da fazenda e conhecer um pouco mais da história do lugar, pois foi a partir das terras pertencentes ao Sítio Lucas que surgiu a cidade de Beberibe, no final do século XIX (1892).

Fonte: Diário do Nordeste
Leia mais no
Diário do Nordeste
Fonte: TV Assembléia Ceará
Jaqueline Aragão Cordeiro

Author: Jaqueline Aragão Cordeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *